segunda-feira, dezembro 24, 2012


Natal

Eu sempre gostei de enviar cartões de Natal. Enviar pelo correio mesmo, à moda antiga, escrito à mão. Acho pessoal, delicado, gentil, educado...enfim, acho uma delícia escrever cada cartãozinho que mando.

Quando o André nasceu, começamos a fazer o nosso cartãozinho em casa, com foto dele....depois incluimos a Mariana e achamos que seria bacana incluir uma foto dos papais tb, já que seria um registro delicioso da passagem do tempo.

Hoje estava aqui mexendo nos cartões de Natal e achei uma delícia acompanhar o crescimento dos dois nos cartõezinhos e espero continuar fazendo todos os anos, até chegar aquele momento em que as crianças vão achar um mico gigantesco....hahahaha. Será??? rs!

Aproveito para desejar um super natal e um ano novo cheio de surpresas maravilhosas!!!

2008 - Dedé com 5 meses

2009 - Dedé com 1 ano e 5 meses - ano em que o Flamengo (time do marido) foi campeão brasileiro após 17 anos....hehehe

2010 - Dedé com 2 anos e 5 meses e Nana com 8 meses

2011 - Dedé com 3 anos e 5 meses e Nana com 1 ano e 8 meses

2012 - Dedé com 4 anos e 5 meses e Nana com 2 anos e 8 meses
* Sim, deveria ter colocado a camiseta do timão em todos (meu time), mas nem precisa, né??? todo mundo sabe que o mundo é nosso!!! hehehe






5

segunda-feira, dezembro 03, 2012


Apresentação da escola - Dedé

O André é tímido e nunca gostou de participar de nenhuma apresentação da escola. Ele sempre sai correndo pro meu colo e chora, dizendo que não quer participar. Eu, obviamente, nunca forcei e sempre disse que ele não precisava dançar nada....

Por esse motivo, quando chegaram informações sobre a festa de final de ano da escola, eu nem falei nada com ele....deixei rolar. Nós não iriamos participar da festa e então não dei muita atenção pro assunto. 

Só que na semana passada, um belo dia, chego pra buscá-lo na escola e ele vem todo sorridente carregando a fantasia (a camiseta que os alunos usariam na festa, durante a apresentação). Aí tive que conversar com ele e perguntar se ele gostaria de participar, se queria dançar com os amigos, se estava animado.

A conversa foi simples: se vc não quiser dançar, não tem nenhum problema (odeeeeeeeeeio mães que dizem que vão ficar tristes se os pequenos não participarem, odeio!!!), mas se quiser, nós vamos e vc dança. Ele disse que gostaria de ir, que ele seria a água e que já tinha ensaiado bastante.


Nós fomos, e confesso que até o último minuto achei que ele desistiria de subir no palco, mas nada...ele dançou todo lindo e ficou o tempo inteirinho olhando pra mamãe e pro papai pra ver se estavamos de olho nele.


Preciso dizer que eu me acabei de chorar??? Quase morri de emoção.


(já com a roupinha de água)

(se preparando junto com os amigos)

(dançando todo lindo)

(os agradecimentos!!!!)
O único sem chapéu pq estava incomodando!!! :-)




(um pequeno vídeo, que mostra o tchauzinho pra mamãe....rs!)

Filhão, eu fiquei muito, mas muito orgulhosa de vc. Pode ter certeza que vc nunca vai ter uma fã mais apaixonada e babona do que a mamãe. Te amo!!!!

P.S.: à noite, na brincadeira do mais legal do dia (post anterior) ele disse que o mais legal foi dançar na apresentação, e finalizou dizendo: "estou muito orgulhoso de mim porque eu não tive vergonha".
Morri, ploft!


9

sexta-feira, novembro 23, 2012


O mais legal do seu dia

Resolvi tirar a poeira do blog pra contar uma brincadeira que se tornou hábito aqui em casa e que tem sido muito legal.

Ainda sem filhos, eu e o marido assistimos ao filme "História de nós dois", com o Bruce Willis e a Michelle Pfeiffer, que interpretam um casal com dois filhos, passando por uma fase delicada no casamento. O que nos chamou a atenção no filme foi o "high and low game".
Todas as noites, durante o jantar, todos os membros da família dizem qual foi o ponto alto (high) e o ponto baixo (low) do seu dia e esse era um momento bacana de interação e cumplicidade.

Nós começamos a fazer essa "brincadeira" meio que por acaso, quando viajamos para a Disney, em abril desse ano, voltando de um parque qualquer. Estavamos no carro voltando para o hotel e o Dani perguntou pros dois pequenos o que eles mais tinham gostado naquele dia. Eles responderam um brinquedo qualquer e nos devolveram a pergunta.

Voltamos para casa e a brincadeira continuou, sempre foi muito bacana. As respostas deles foram modificando com o passar do tempo, já que foram ouvindo respostas nossas e sacando melhor o espírito da coisa.

Agora, todas as noites nós brincamos de "o que foi mais legal no seu dia?"! Alguém faz a pergunta (quase sempre um dos dois pequenos, que adoram!) e então todo mundo responde. Depois das 4 respostas, perguntamos "e o que é que não foi legal no seu dia?" e nós 4 respondemos também.

E nós, adultos, procuramos dar respostas dentro do entendimento deles, mas respostas reais, que nem sempre fazem parte do universo deles. Marido já respondeu que não foi legal ter um desentendimento no trabalho, eu já respondi que não gostei de pegar muita fila no super mercado, ou que não gostei de perder muito tempo no trânsito e já cheguei a responder que estava triste porque uma pessoa tinha sido muito grosseira comigo.

As coisas legais também já foram muitas: ontem respondi que o mais legal do meu dia tinha sido fazer gelatina junto com eles dois, outro dia o mais legal foi acordar com beijo deles, mas também já dei respostas que não os mencionavam, por exemplo já disse que o mais legal tinha sido comemorar aniversário de casamento com o papai!

As respostas deles são cada dia mais deliciosas.

Ontem Nana respondeu que o mais legal do dia dela foi fazer uma atividade de colagem, para cobrir o jacaré! O jacaré estava com muito frio e ela colou uma coberta em cima dele!!!
O Dedé já respondeu várias vezes que o mais legal foi o papai ter chegado cedo do trabalho ou que o mais legal foi brincar com um amigo querido e ainda essa semana, disse que o mais legal foi assistir um fiminho abraçadinho comigo (morri, ploft!).

O Dedé já entendeu bem a parte que "não foi legal" e ontem respondeu que não gostou de ter escorregado de meias e batido o braço no chão. Outro dia disse que não gostou que o amigo faltou na escola. Quando ele não sabe muito o que dizer, diz que não gostou de ficar no trânsito pra voltar da escola! heheheh (tão pequenininho e já odeia a Raposo....rs)

A Nana ainda não sabe muito bem o que responder e quase sempre responde assim:
- filha, o que não foi legal no seu dia?
- bater
- mas alguém te bateu?
- não, mas bater não é legal, né? 

Sempre morremos de rir!!!

Tenho a sensação de que essa brincadeirinha tão simples nos aproxima. É um momento em que nós 4 estamos juntos, contando como foi o nosso dia e participando do dia de todas as pessoas da família.
É uma delícia! Tentem aí e depois contem como foi! Eu recomendo!!!






5

segunda-feira, setembro 10, 2012


A escolha da escola!

É bastante difícil escolher uma boa escola para os filhos. São tantas questões, tantas coisas que considero importantes, que minha pesquisa foi enorme.
Lembrei do post da Camila explicando como escolheu a escola dos filhos, e achei bacana escrever sobre isso tb, para que um dia meus filhos saibam tudo que levamos em consideração para escolher a escola deles.

Em primeiro lugar, decidimos voltar pra São Paulo porque não aguentamos mais enfrentar horas e horas de trânsito pra ir a qualquer lugar. E ao invés de escolher o bairro para depois escolher a escola, fizemos o caminho oposto. Escolhemos primeiro a escola para depois definirmos onde morar.

Começamos pedindo indicação para muitos amigos sobre escola que gostam e qual a razão. Olhei tooooodas as que me indicaram, olhei os sites, fucei, li método de ensino, proposta pedagógica, ranking do Enem....fucei mesmo!

Quanto mais eu lia site de cada uma das escolas, mais me questionava sobre o que seria importante de verdade para mim, na escola e cheguei à conclusão de que muito além do conteúdo, me preocupa o perfil dos alunos e dos pais. 

Não queria nada elitista demais. Não sou e não gosto. Gostaria que os alunos fossem da mesma classe social, com condições financeiras similares. Claro, que alguns tem mais e outros menos e isso faz parte da diversidade que eu espero encontrar, mas não queria nada muito fora dos nossos padrões.

Hoje vivemos uma época de consumismo desenfreado e não queria um perfil consumista, muito riquinho, sabe?

No mais, estudei a vida toda em colégio tradicional e tenho pavor do esquema professor-fala, aluno-ouve. Queria uma escola onde o aluno fosse participativo e exercitasse o pensamento, questionando, debatendo, aguçando a curiosidade. Não acho certo estudar pra prova, sem entender o que esta sendo passado e sem enxergar nenhuma real utilidade disso na vida prática.

Hoje a informação já está super à disposição, não preciso de uma escola que informe, mas de uma escola que ensine a questionar, a trabalhar em grupo, a respeitar a opinião do outro, a entender porque é que tudo aquilo existe. Procurava um lugar onde as disciplinas interagissem, inseridas em um contexto real.

É claro que eu me preocupo sim com conteúdo, quero que eles aprendam tudo direitinho e estejam preparados para os desafios que vão surgir, dentre eles, o vestibular, mas a questão humana me preocupa mais...os valores, o tipo de pessoa que irão conviver, a formação intelectual (enquanto ser pensante) são mais importantes pra mim do que todo o resto.

Acho importante que a criança aprenda a ter responsabilidade, com avaliações e tudo mais, mas não gostaria que isso fosse a preocupação fundamental do aluno. Obter boas notas é resultado de um trabalho, de participação em aula, de interesse e não apenas resultado de uma prova, que avalia o aluno em um único dia! Tenho péssima impressão de escolas (como a que eu estudei a vida toda) que posicionam alunos em salas de aula de acordo com a nota, onde o "ranking" dos alunos é mais importante que o aluno em si. 

A escola que escolhemos tem uma boa nota no Enem, não ótima maravilhosa, mas boa o suficiente pra mim. Tem uma grade de disciplinas bastante abrangente e é super preocupada com a questão humana, que eu tanto valorizo. Não considero como uma escola alternativa, mas é sim uma escola mais liberal, mais humana, super dentro do que estavamos procurando. A escola abrange todo o conteúdo que um dia será exigido no vestibular, mas se preocupa em mostrar na prática a utilidade daquilo tudo.

A escolha é só para o próximo ano, ainda não estou inserida no dia-a-dia da escola e pode ser que a minha opinião venha a mudar sobre algumas questões, mas gostei muito de como fui recebida, do tipo de questionamento que fizeram sobre a personalidade dos meus filhos, sobre a criação deles, sobre a rotina, hábitos, perferências..... A entrevista é tão detalhada, tão pessoal, que me deixou boquiaberta. Me senti acolhida, senti uma preocupação real com o aluno e não apenas mais uma mensalidade a receber.

Fiz muitas perguntas, questionei método de ensino, método de avaliação, qualidade da alimentação, perguntei como lidam com a questão do consumo, a questão do preconceito, como comemoram datas comerciais, como incentivam o aluno tímido a participar, como mostram que a opinião do outro deve ser respeitada....milhões de questionamentos. E recebi resposta para todas as minhas dúvidas. Minhas questões não só foram bem recebidas, como foram respondidas de forma satisfatória, o que me leva a crer que tudo aquilo era importante também para a escola.

Saí de lá com a sensação de que só havia esquecido de perguntar como era a questão da disciplina. A escola que eu estudei a vida toda era muito preocupada com disciplina, com alunos quietos e comportados, que só podiam falar quando tinham autorização para tanto. Não gosto disso. Acho que disciplina é consequência natural do respeito. A criança que sabe respeitar o outro, a vez do outro, a opinião do outro, a fala do outro...aprende naturalmente quando deve ou não deve falar. Não questionei isso, mas acredito, por tudo que conversamos, que estamos em sintonia quanto a isso tb.

Eu enxergo a escola como uma educação complementar a que damos em casa. Não acho que a escola tem o DEVER de passar valores que não são dados em casa ou de suprir uma carência que a criança tem da educação que recebe dos pais. Acho que a escola deve complementar e por isso é importante que tenham os mesmos valores que consideramos importantes na nossa família.

Não acho que exista a escola ideal ou escola perfeita, mas acho que existe a escola que melhor se encaixa ao perfil de cada família, escola que melhor atende aos ideais, valores e preocupações dos pais. Acho que encontramos! Quando eles começarem lá eu conto novamente se o que nos foi apresentado é real e se a escola realmente atende as nossas expectativas.

Outras mamães, o que vcs acham disso tudo? O que vcs levaram em consideração na hora de escolher a escola. Fiquei pensando tanto nisso, que estou curiosa para conhecer outros pontos de vista!



16

quinta-feira, setembro 06, 2012


Cantoria

Blogueira mequetrefe quando volta, coloca vídeo...hehehehe


2

sexta-feira, julho 13, 2012


Férias dos pequenos

Meus pequenos estão de férias da escola e eu não estou de férias do trabalho.

Minha sogra os convidou para passar uns dias lá na casa dela no Rio, e então fomos levá-los no último final de semana e combinamos que, conforme fosse essa semana, eles ficariam mais uma semana. Se eles sentissem muito a minha falta, eu iria buscá-los, mas se estivessem bem, ficariam.

E eu já to aqui MORRENDO de saudade, achando tudo chato, a casa vazia, silenciosa...sem graça total. Mas a verdade é que eu estou trabalhando muito e não conseguiria dar atenção que eles merecem aqui.

E a cada dia, vou recebendo fotos como essas:



(estão tristes, né??? Linda foto!)

(olha o rabinho de cavalooooo......não aguento! rs!)




E então eu penso que embora eu esteja com muita saudade, seria muito egoísmo da minha parte trazê-los para SP só porque eu sinto falta e privá-los dessas férias maravilhosas que estão tendo ao lado dos avós que fazem tudo por eles, com todo amor do mundo.

E eu vou encarar mais uma semana longe deles, com o coração pequenininho de tanta saudade, mas com a certeza de que eles estão sendo muito amados, aproveitando muito e muito felizes com os avós.

Os avós estão felizes com eles por lá. Imagino que cansados, mas felizes demais. Os pequenos estão felizes tb por lá....só me resta ser feliz também por eles terem a oportunidade de desfrutar dos avós!

Aproveitem muito, todos! Eu fico aqui contando os dias para abraçar os dois e aproveitando para fazer programinhas de adulto, sair com o maridão...o que tb é uma delícia, né??



8

terça-feira, julho 10, 2012


Vó Bisa

Minha vó Rosa, mãe da minha mãe, virou Vó Bisa.
Criou uma filha, ajudou a criar 4 netos e acompanhou o crescimento de 9 bisnetos. E virou vó Bisa quando nasceu o primeiro bisneto. No último domingo o céu ficou mais lindo com a chegada da Vó Bisa, o céu ficou alegre, doce, com cheirinho de pão de queijo feito em casa que ela sabia fazer como ninguém.

Eu era a neta mais nova e sempre morri de paixão pela Vó. Quando eu era criança, ia pra casa dela e escondia mil bilhetinhos apaixonados pela casa toda, para que ela fosse achando no decorrer da semana...colocava no armário do banheiro, no meio dos lençois limpinhos, dentro de panela, colado na máquina de lavar roupas...ela ia encontrando, me ligava e dizia que tinha adorado. E guardava todos! Eu já adulta encontrei os bilhetinhos com ela e fiquei toda emocionada.

Ela já morou na minha casa também, e eu passava noites dormindo na cama com ela...ela fazia carinho no meu cabelo, me ensinava a fazer tricô e me contava histórias de quando era novinha, contava que fugiu pra casar com meu avô, contava coisas sobre a minha bisa e contava sobre minha mãe quando criança.

Ela dizia que queria muito conhecer meu filho, que ela tinha que viver pra poder pegar meu filho no colo. Ela tinha paixão pelos bisnetos e não podia deixar de conhecer os meus. Eu na fase de baladinhas, sem namorado e ela dizia que eu precisava arrumar logo um filho. Veja bem, eu não precisava de um namorado, eu precisava de um filho...rs!

Quando ela conheceu o Dani, ainda namorado, ela disse: "Filha, ele é lindo. Faz logo um filho com ele, pq assim vc garante um filho bonito. Se não der certo não faz mal...vc separa". hahaha. Eu morria de rir com isso, mas no fundinho morria de medo de que ela não conhecesse meus filhos, que ainda nem estavam nos planos.

Mas ela conheceu. Não só conheceu os dois, como pegou os dois no colo, fez muito carinho e despertou um amor intenso neles. André, ainda bebê, já era doido pela bisa. Ela morava no litoral e então não viamos com muita frequência, mas ele sempre queria ver fotos da Bisa, pedia pra colocar foto da Bisa na televisão e dava sorrisos lindos, mandava beijos pra ela...





Em 2009 ela teve um infarto, ficou internada e deu um susto horrível na gente. Quando fui visitá-la, ela disse que nós não precisavamos ficar tristes, que ela tinha tido uma vida linda, sem qualquer sofrimento, que tinha curtido os netos e os bisnetos....que já podia ir em paz. Ela ria e dizia: "quem vc conhece, da minha idade, que já morou na Austrália?"

E era verdade, ela teve uma vida linda. Sempre foi muito querida e amada por todos.

Aos 70 e poucos anos, encarou uma viagem pra Austrália e por lá ficou por mais de ano morando com meu irmão, cunhada e filhos. Viajou pro outro lado do mundo, sem falar o idioma, pra ajudar a cuidar de bisnetos. Saia nas ruas da Austrália e batia papo com todo mundo...voltava contando as histórias que tinha ouvido e ninguém sabia como ela tinha entendido, mas era sempre verdade. Ela tinha o jeitinho dela de se comunicar.

Ano passado operou a catarata e depois ficou emocionada novamente quando viu meus filhos....disse que nunca havia enxergado tão bem o rostinho deles e que eles eram ainda mais lindos do que ela se lembrava.





Ela foi realmente minha segunda mãe, mas mãe sem obrigações. Eu não gostava de comer e ela passava a comida para o prato dela e dizia pra minha mãe que eu tinha comido tudo. Ela ficava uma hora penteando meu cabelo para tirar os nós sem me machucar. Ela me ensinou a jogar "tombula", ela fazia nhoque pra mim, ela me dava conselhos, contava sobre a sua vida e me ensinou que Deus existe e que ele é a natureza! 

Ela me ensinou tanto sobre o amor...

É unânime, ninguém tem nenhuma lembrança triste sobre ela...

Ela foi embora tranquila, sem dor, sem sofrer, sem fazer ninguém sofrer...ela foi em paz, linda e serena. Vai deixar uma saudade doce, lembranças felizes e uma alegria danada de ter tido a oportunidade de conviver com uma presença tão incrível.

E repetindo todas as pessoas que foram se despedir dela no domingo: ela foi a melhor pessoa que eu já conheci. É ou não é muito especial ter tanta gente dizendo isso sobre uma mesma pessoa?

Descanse muito, tá Vozinha? E continue sempre aqui pertinho da gente que o nosso coração vai estar sempre pertinho de vc. Te amo muito!!!!




15

sexta-feira, junho 22, 2012


Meu aniversário

Hoje é meu aniversário! Eu AMO fazer aniversário e nem ligo pra essa coisa de idade...nunca liguei. 
Sempre fiquei animadona quando meu aniversário estava pra chegar, avisando todo mundo para que ninguém esquecesse.

Eu era daquelas chatas, que ficava MEGA chateada quando alguém esquecia de me dar os parabéns...triste mesmo, achando que a pessoa não estava nem aí pra mim. Isso passou, como muitas coisas que passam com a idade.

É claro que eu gosto de receber os parabéns, mas acho mais importante o carinho que as pessoas têm comigo o ano inteiro e não apenas em um dia. Nossa vida é tão corrida que acho absolutamente normal que alguém deixe passar o meu dia...não ligo mesmo.

Hoje acordei meio tristonha, mas já recebi tanto carinho de tantas pessoas queridas que estou leve. Leve e feliz por ter tanta gente bacana na minha vida. Por ter uma família linda, um marido maravilhoso e  filhos tão perfeitos! To feliz, só isso! E eu mereço!

Viva EU!!!!
9

terça-feira, junho 19, 2012


Alimentação

Essa é mais uma história que comprova que quando viramos mães, tudo que haviamos dito antes, volta com tudo na nossa testa.

Eu sempre achei um absurdo criança que não sabe o que está comendo. Uma vez vi na Oprah (hohoho) uma entrevista com a Jessica Seinfeld (mulher do Jerry) em que ela ensinava a fazer vários pures de legumes para que a criança comesse os tais sem se dar conta. Ela até escreveu um livro ensinando as mães a disfarçarem verduras e legumes no meio da comida, para que as crianças não percebessem que estavam comendo. 

Eu ali, casada, sem filhos, cheia de sobrinhos pra eu "julgar" a educação, achava aquilo UM ABSURDOOOO. Criança tem que saber o que come, tem que saber a importância de ingerir todos os tipos de alimento, tem que saber os benefícios da alimentação saudável....e todo um discurso lindo sobre o que eu faria quando tivesse meus próprios filhos.
Criança que come essas coisas escondidas na comida não vai criar bons hábitos alimentares e vai crescer achando que não gosta mesmo dessas comidas. É importante oferecer, insistir e bla bla bla.

Vejam bem, eu ainda acredito em todo esse meu discurso, mas na prática a história é bem diferente, né não?

André sempre comeu de tudo. Sempre me orgulhei da qualidade da sua alimentação, variedade de pratos, verduras, legumes, nada era um problema. Ele sempre provou de tudo e gostava de quase tudo....mas então ele foi crescendo e virando um chatinho seletivo que não gosta de mais nada.

Eu disse NADA! NA-DA!

Ele come o basicão e cismou que não gosta de nenhum "verdinho". A minha reação foi normal...continuei oferecendo, explicando, pedindo pra provar, dizendo que ele sempre gostou, que é uma delícia, que é importante, que é saudável....

Se na nossa época os pais apelavam para o espinafre do Popeye, eu apelo para os personagens que ele ama.

- Sabe por que o Peter Pan usa roupa verde? Porque verde é a cor favorita dele....ele ama tudo que é verde. Ama brócolis, espinafre, alface...
- Sabia que no feijão tem ferro??? Por isso que feijão é a comida favorita do Homem de Ferro.
- Filho, olha só esse brócolis, não parece uma teia de aranha?? Foi o homem aranha que fez....

Espertinha eu, né? Mas nada funcionou...ele não come mais. Só quer saber do macarrão, carninha, arroz, estrogonoff....nada de verdinhos.
E o que eu comecei a fazer??? O que a Jessica Seinfeld mandou!

Espinafre misturadinho no feijão. Arroz com brócolis escondidinho embaixo do feijão.  Carne moída com leguminhos picados minimanente para que não possam ser vistos....enfim, to escondendo os verdinhos pra ele comer e me sentindo péssima.

O que vcs fazem, mamies lindas? Help me!!!!

* A Nana come tudo e mais um pouco, verde, amarelo, azul...com ela não tem tempo ruim, come o que estiver no prato e pede mais. Espero que continue assim!!!! :-)
17

sexta-feira, junho 15, 2012


Será que é pedir muito??

** Esse post está concorrendo como "melhor post do mundo", concurso realizado pela Limetree e Minha mãe que disse.



Eu quero que o meu filhote seja um cara bacana. 
Quero que ele seja um cara que educado, gentil e respeitoso, especialmente com os mais velhos - não por hierarquia, mas por entender que com experiência vem sabedoria.
Quero que dê valor pra família e que sempre se sinta amparado e acolhido. E que ao ver o carinho entre mim e seu pai, possa reproduzir com sua própria família.
Quero que ele saiba tratar as mulheres com respeito e consideração. Que procure não magoar, mas que se for magoado, não deixe de acreditar no amor.
Quero que ele seja sensível e que não tenha vergonha de expor seus sentimentos.
Quero que ame os animais e que saiba tratá-los com carinho.
Quero que seja inteligente e que saiba tirar proveito de todas as oportunidades que tiver na vida. 
Quero que saiba escolher uma boa profissão, que respeite suas aptidões pessoais e ambições.
Quero que saiba lidar com o dinheiro, que o enxergue como meio e não como fim. Que  enxergue as diferenças sociais e encontre a sua própria maneira de fazer a sua parte.
Quero que tenha boa autoestima, que se olhe no espelho e fique feliz com o que vê e que olhe pra dentro e fique mais feliz ainda com o que é.
Quero que tenha humildade para não se achar melhor do que os outros, mas que saiba que é o melhor que pode ser.
Quero que seja paciente pra lidar com os obstáculos e persistente a ponto de superá-los.
Quero que tenha bom humor porque assim a vida é muito mais fácil.
Quero que tenha sonhos, planos e projetos e que saiba ir atrás deles.
Quero que tenha muitos amigos para que aprenda o quanto são importantes na nossa vida.
Quero que cuide da mente, do corpo e do 'espírito' na mesma proporção e de nenhum deles ao extremo.
Quero que tenha saúde sempre!

Hoje em dia eu tenho certeza de que quero muito mais por ele do que por mim e que vou fazer a minha parte pra tentar ensinar pelo menos algumas dessas coisinhas aí de cima.
E o que eu mais quero mesmo, é que ele saiba que todas as vezes que ele tiver medo ou que precisar de mim, eu vou fazer a mesma coisa que eu fiz agora pouco quando ele ficou com medo do trovão - vou pegar na mãozinha e dizer: "tá tudo bem, filho...a mamãe tá aqui! E eu vou ficar aqui o tempo que você precisar"
3

quinta-feira, junho 14, 2012


Medo e o melhor post do mundo.

** Esse post está concorrendo como "Melhor post do mundo", concurso realizado pela Limetree e Minha Mãe que Disse





Medo

Eu tinha medos....tinha muitos medos sérios quando eu era mais nova.
Tinha medo de pombos, medo que eles chegassem perto de mim, que fizessem cocô na minha cabeça (o que já aconteceu uma vez, na escola), medo do barulhinho nojento que fazem.
Tinha medo de barata, de lagartixa. Medo de altura, medo daqueles de apertar forte a mão de alguém quando o avião está prestes a decolar. Tinha medo de ter pesadelos, especialmente um pesadelo específico que se repetiu por muitos anos.
O maior de todos os meus medos era sapo. Chamava de pavor, fobia. Não conseguia sequer encostar em um sapo de pelúcia, que a minha mão tremia involuntariamente. Uma vez um amigo fez uma piadinha e disse "olha o sapo", quando não havia nenhum....e eu chorei uns 15 minutos com a mera possibilidade.
Era um medo legítimo, um medo que doía dentro do peito e me enchia de raiva quando alguém fazia graça ou achava que era frescura. Medos não são frescuras, até mesmo os medos mais bobos são doídos e fazem sofrer.

Eu cresci, tive filhos e meus medos mudaram.
Não vou dizer que tenho vontade de pegar os sapinhos no colo e fazer carinho, mas eles têm uma importância muito pequena agora. Hoje sou capaz de passar por um deles e ainda abaixar pra mostrar para as crianças, ainda que de longe.
Hoje em dia acho besteira o medo irracional de um sapo de pelúcia e certamente um dia acharei absurdos os medos que eu tenho hoje, mas os meus medos verdadeiros de hoje me trazem dor sim e são tão legítimos quanto eram os medos anteriores.

Tenho medo que o meu menino tímido seja deixado de lado na escola, que os amigos impliquem com ele e não o chamem para brincar. Tenho medo que ele não saiba se defender ou que não saiba expor seus argumentos e seja injustiçado. Tenho medo que a minha gatinha autoritária seja excluída pelas amiguinhas. Tenho medo que a chamem de chata e não a deixem brincar. Tenho medo que eles sejam humilhados por alguma falha momentânea, tenho medo que lhes digam que eles não são capazes de realizar alguma tarefa. Tenho medo que elem sofram porque um amiguinho saiu da escola ou porque a amiguinha pegou um pedaço do seu lanche sem pedir.
E muito embora acredite que essas coisas todas são importantes para o crescimento dos pequenos, gostaria de evitar todo e qualquer sofrimento deles.

Tenho medo que caiam da escada ou do brinquedo ou do escorregador. Tenho medo que engasguem com um pedaço de maçã. Tenho medo que escorreguem na chuva e caiam de bunda no chão. Tenho medo que passem frio e peguem um resfriado. Tenho medo que a tosse vire pneumonia. Tenho medo que eles tenham que ficar no hospital. Tenho medo de vê-los doente. Tenho medo de faltar para eles e de vê-los necessitando de algo que eu não posso dar. 

Tenho medo de não estar por perto quando eles tiverem medo, pra poder dizer que vai passar. Ou então dizer que nunca vai passar, mas que eu vou continuar ali pertinho.

Um dia chegará o medo das más companhias, o medo do adolescente na rua até tarde, medo de que peguem carona com alguém que bebeu além da conta e muitos outros medos que hoje não significam nada pra mim!

Hoje eu tenho medos bobos e medos racionais - todos eles igualmente sinceros e legítimos até que passem e cheguem os novos.
1

quarta-feira, junho 06, 2012


Intoxicação alimentar

A história:

Sexta feira a moça que trabalha comigo não foi trabalhar e eu, trabalhando em casa, fiquei com preguiça de fazer comida. Descongelei um Strogonoff Sadia e comi. O sabor não estava alterado e nem o cheiro.

Peguei as crianças na escola e preparei uma comida fresquinha pra eles, porque eu não gosto de dar congelado, e só conclui que estou mesmo muito certa em não dar.

Comecei a passar mal na sexta feira mesmo, muito "piriri"(se é que vcs me entendem) e depois um episódio do exorcista (tamanha quantidade de vômito). Arrumando a cozinha fui jogar fora o restinho de strogonoff que tinha sobrado e quando senti o cheiro, tive certeza que tinha sido isso mesmo que me fez mal.

Fiquei um pouco melhor no sábado, mas domingo à noite comecei a ter febre. Na segunda fui ao PS e acabei ficando internada. Deu uma alteração no hemograma, que confirmou a infecção e então fiquei internada com soro e antibiótico na veia. E cá estou eu, no hospital, desde segunda, com previsão de alta amanhã de manhã (todo mundo torce por isso pq não aguento mais ficar aqui)

Olha só que bobagem, uma comida congelada me rendeu 3 dias no hospital. Não dá pra culpar a Sadia porque a falha pode ter sido do mercado, que pode ter deixado descongelar e congelar a comida novamente...não sei, não tem como saber, mas hoje só agradeço por não ter dado às crianças.

Que sirva de alerta...já que fazer uma carne moída com legumes picadinhos, por exemplo,  demora o mesmo tempo do que descongelar uma comida pronta e é muito mais saudável para os pequenos e para qualquer pessoa.

O lado bom da coisa:

O lado bom de ficar esses dias aqui no hospital foi perceber quantas pessoas queridas eu tenho por perto, que não mediram esforços pra me ajudar com as crianças, pra ficar comigo no hospital ou mesmo não pouparam palavras de carinho e desejos de melhoras pra mim.

Feliz demais por ter uma família linda me dando suporte e me mandando palavras de amor e carinho, amigos maravilhosos me dando carinho, cunhada e irmão cuidando dos pequenos, irnão passando noite no hospital comigo, amiga mais que amada deixando de aproveitar as férias pra fazer plantão ao meu lado e um marido perfeito se desdobrando em mil pra cuidar dos dois e ainda trabalhar.

Obrigada a todas as outras pessoas que oferecerem ajuda, companhia e tudo o mais. Feliz por ter vcs por perto sempre.

Obrigada, obrigada, obrigada!!!

E torçam pra esses bichinhos chatos (o meu e o do Dedé) irem embora logo!
16

sexta-feira, maio 25, 2012


Disney com os pequenos - Epcot

Nosso segundo dia de viagem foi na Epcot. A Mariana não estava muito boazinha, gripe forte e até um pouquinho de febre, então ficou a maioria do tempo sentada no carrinho.
Logo na entrada encontramos com a Margarida, e ninguém quis papo com ela...fiquei morrendo de dó e fiz o sacrifício! hehehe



A Epcot é o parque que mais tem personagens espalhados, então foi uma delícia para os pequenos. André tirou foto com Mickey, Minie, Pluto, Donald, Pateta. Encontramos Tico e Teco, Lilo & Stich, Marie e muitas princesas.
A única princesa que a Nana gostava (até então) era a Bela, então peguei o horário em que ela estaria por lá e fiquei esperando....Só que, para minha decepção, ela apareceu com o vestido branco e azul do começo do filme e não com o amarelo de baile. A Nana não reconheceu!!! :-((

O encontro com a Marie foi o ponto alto do dia para a Mariana...ela AMOU, não queria parar de fazer carinho. Uma fila gigante atrás e eu não conseguia tirá-la de lá. Uma coisa fofa.

(dá pra aguentar essa menina????)


Um brinquedo muito legal lá é o do Nemo. É lindo, fofo, super bem feito...até a fila é uma delícia! Nós fomos umas 5 vezes. A Nana amou...entravamos na fila e ela começava a falar: "Neminhooooooo, me espera que eu to chegandoooooooooo". Uma linda! Vale super a pena.
Na saída do brinquedo fica o tubarão Bruce para as crianças tirarem foto!!!

(tive que ir junto pq era alto, ta?? rs!)


O brinquedo do Figment também é bonitinho e no Inoventtions tem umas atividades legais para os pequenos tb!

Estávamos lá na época da primavera e no Epcot estava rolando Flower & Garden. Todos os personagens que vc imaginar feito de flores e folhinhas. Só isso já era uma atração à parte...só ficar passeando e olhando os personagens já era super lindo!

(ele está fazendo um gancho com a mão! rs!)

(ai como é gatoooo!!!)

(no filme do Toy Story o Lotso - esse aí da foto - tem cheirinho de morango. E aí na foto ele está em cima de uma plantação de morangos, então tem um super cheiro de morango...uma delícia!!!)

7

sexta-feira, maio 18, 2012


Disney com os pequenos - Magic Kingdom

Magic Kingdom - vou falar por parques pra faculitar a minha vida e poder registrar tudo de gostoso que fizemos em cada lugar, então mesmo os parques fomos duas vezes, estarão no mesmo post!!!

Chegamos em Orlando em uma segunda-feira. Eu e marido não tinhamos conseguido fechar o olho no avião, estavamos exaustos e virados, mas as crianças estavam com a corda toda, então decidimos entrar no clima...deixamos as malas no hotel e fomos almoçar no Magic Kingdom.

(a neném está em to-das...vai ter história boa da neném logo mais...rs)

Entrar e dar de cara com aquele castelo já anima qualquer um. Ver a carinha das crianças olhando pra tudo aquilo é indescritível.

Chegamos tarde no parque e não tinhamos olhado nada, nem sabiamos quais os brinquedos queríamos ir...não sabiamos nada...comemos alguma coisa e saímos andando pelo parque. Tem uma área com vários brinquedos pra criança, bem pertinho um do outro...perto do carrossel, que parece boboca, mas as crianças AMAM.



O André AMOU também o brinquedo "It's a small world". Toca aquela musiquinha chata do Silvio Santos (rsrs!), mas o André adorou e a Nana fala que é o brinquedo mais legal da Disney. Ela chama de "os bonequinhos do lalalá".

Não conseguimos ir ao brinquedo do Peter Pan nesse dia, que era um dos mais esperados pelo André, mas prometemos a ele que voltaríamos nesse parque para ir. TO-DOS os outros dias da viagem ele perguntava quando iriamos ao brinquedo e no dia que, enfim, voltamos ao Magic Kingdom estava bem tranquilo e conseguimos ir três vezes. Ele diz que é o melhor de todos os brinquedos.
Na verdade nem é nada demais...é só uma cadeirinha que voa por cima da cidade e enxerga toda a história de cima, mas como ele AMA a história e conhece cada detalhe, foi uma delícia ver ali retratado.

O brinquedinho do Pooh é bem sem gracinha e o da Branca de Neve deu medo no André. O brinquedo do Buzz é bem bacana também!!!

Foi um dia muito gostoso, mas como não haviamos nos programado, alugamos carrinho no primeiro dia (15 dólares - mesmo preço que pagamos no carrinho pra usar a viagem toda) e quando viu devolver, um senhorzinho simpático perguntou se tinhamos nos divertido e se as crianças tinham visto algum personagem...eu respondi que nos divertimos muito, mas que infelizmente não tinhamos visto nenhum personagem...ele indicou onde encontraríamos o Mickey e a Minnie e foi pra fechar o dia com chave de ouro.

Eu nunca vou me esquecer das carinhas que os dois fizeram quando viram o Mickey e a Minnie pela primeira vez. Eu comecei a chorar de tão emocionada que fiquei com as carinhas deles. A foto nem está tão boa, mas vale:


Na nossa segunda visita ao Magic Kingdom, seguimos a dica da Roberta e fomos almoçar com a turma do Pooh (reservamos 2 dias antes), no Crystal Palace. Valeu muuuuito a pena, eles amaram ver toda a turminha assim de perto. Foi demais, valeu pela dica, Ro.
Também dá pra fazer uma refeição com a turma do Mickey, no Chef Mickey...nós reservamos e perdemos a hora pro café da manhã (que feeeeeio), mas parece ser bem legal tb.
E como a Nana ainda não está na fase das princesas, gostava mesmo era dos personagens da turma do Mickey. E da Sininho, que já é velha conhecida por causa do irmão viciado em Peter Pan!


Magic Kingdom é realmente delicioso, com bastante coisa bacana para os pequenos. Nós fomos duas vezes durante a viagem! Mas vê só se cansa ou não....rsrs!




5

quinta-feira, maio 17, 2012


Disney com os pequenos

Demorei, mas finalmente consegui sentar pra contar um pouquinho da nossa viagem pra Disney. A pergunta que eu mais ouço quando digo que fui pra Disney com os dois é se eu não acho que eles são muito novos e aproveitariam muito mais indo mais velhos.
E a minha resposta é NÃO, não acho que eles são muito novos. Todos os parques da Disney estão muito preparados e tem muitas atrações para crianças na idade deles.
Se forem mais velhos aproveitarão outro tipo de atrações, mas aproveitarão tanto quanto os meus pequenos aproveitaram as atrações apropriadas para a idade deles.
Além do mais, nessa idade eles acreditam na "magia". O André tem certeza absoluta que encontrou com o Homem-Aranha de verdade e isso foi muito especial pra ele e ele não teria essa sensação se fosse mais velho.

Mas vamos lá, vou fazer primeiro um apanhado geral e depois dou mais detalhes em outros posts.

Nós fizemos uma viagem de 15 dias, imaginando que em alguns dias ficariamos na piscina do hotel descansando, mas que nada...fomos a parques todos os dias, repetimos alguns que eles aproveitaram mais e foi uma delícia. Cansativo, especialmente para os papais, que andam o dia inteirinho, mas uma delícia.

No terceiro dia de viagem o André perguntou se poderíamos morar lá pra sempre, para ir aos parques todos os dias. E atualmente ela fala que quer ir a uma "school" lá na Disney, só falar inglês e ir aos parques todos os dias, claro!

Nós levamos o carrinho da Nana, que já era pequenininho e super leve e compramos um para o André, lá mesmo, no Wallmart por 15 dólares. Usamos muito e todos os dias...as crianças cansam de andar e o carrinho é a salvação, mas o carrinho de 15 dólares tem prazo de validade...nos últimos dias, depois de ser usado em média 10 horas por dia, ele mal andava...as rodinhas empenaram! rsrs!

A alimentação é a única coisa realmente ruim de toda a viagem. No parque, salvo raríssimas exceções, as opções para crianças são: nuggets, mac&cheese e pizza. Super saudável, né? Eu relaxei totalmente nessa questão, assumi que eles estavam de férias e comeriam essas porcarias durante esse período e pronto, mas tentamos minimizar a coisa levando algumas opções saudáveis por nossa conta. Levavamos sanduichinhos feitos em casa, frutinhas cortadinhas, biscoitos integrais e bastante suco...era o melhor que dava pra ser feito! Liberamos as porcarias pra eles nas férias e de volta à SP voltamos a nossa alimentação saudável de casa. Sem traumas...rsrs!

Uma dica bacana é o site Easy Disney, que aponta quais os melhores dias para irmos nos parques. Ele analisa quantas paradas vai ter no dia, o horário de abertura e fechamento dos parques e uma série de outros fatores e baseado neles aponta quais parques estarão mais cheios em quais dias. Nós olhavamos toda noite e escolhiamos o mais vazio para o dia seguinte, mas só vale para os 4 parques da Disney.

Não falhou...nós pegamos todos os parques bem tranquilos. Pudemos aproveitar todos os brinquedos sem filas enornes, com exceção de alguns poucos que não ficam vazios NUNCA!

A lição de casa de todas noites era olhar qual o melhor parque para o dia seguinte, olhar o mapa do parque escolhido, olhar o blog da  Roberta pra ver quais brinquedos ela tinha indicado naquele parque e já nos programarmos pra ver onde iriamos primeiro, qual fast pass teríamos que pegar. E assim foi tudo bem tranquilo, não deixamos de ir a nenhuma atração. (Ro, acho que o seu blog nunca foi tão acessado na vida quanto nessas duas semanas...suas dicas nos ajudaram muuuuuito!!!!)

Para os papais que, como eu e marido, adoram os brinquedos de adulto (brinquedo de adulto = montanhas russas e simuladores) e tb querem aproveitar eu tenho umas diquinhas:

O tão amado Fast Pass - pegavamos o fast pass do brinquedo mais concorrido do parque logo na entrada e aproveitavamos o horário da soneca da Nana para nos revezarmos nos brinquedos que  eu e marido gostariamos de ir. O que ficava com as crianças aproveitava para sentar, tomar um suco e descansar um pouco com o André, que não dorme mais a tarde.

Single Rider - as filas do single rider são ridículas e quase inexistentes, eles encaixam as pessoas nas cadeirinhas que sobram e então era bem rápido. O marido ia no brinquedo, entrava direto quase sem fila e voltava pra ficar com o André e a Nana enquanto eu faria o mesmo.

Alguns brinquedos tem um fast pass especialmente para a situação de pais com crianças, chamado Fast Pass - Rider Switch e funciona assim: um adulto entra no brinquedo normalmente e pega a fila regular (sem fast pass) e vai no brinquedo (acho meio infantil falar "brinquedo", mas tudo bem...rs!) enquanto o outro adulto ganha esse fast pass especial e espera do lado de fora com as crianças. Quando o primeiro adulto volta do brinquedo, o segundo não precisa pegar a fila novamente, entra na fila de fast pass, que é super rápida,

Outros brinquedos ainda tem o Child Swap, como é o caso do simulador dentro do castelo do Harry Potter. A família toda entra na fila - o que foi super legal porque a fila é dentro do castelo e eles amaram ver os quadros que se mexiam - e quando chega na nossa vez, um dos adultos entra no brinquedo e o outro adulto com as crianças vai para uma salinha especial, com TV passando desenho animado e espera. O primeiro volta, fica na salinha com os pequenos e o segundo entra na frente da fila e vai ao brinquedo direto.

Todas essas opções são rápidas e as crianças nem sentem que estão perdendo alguma coisa...vale a pena os adultos aproveitarem também, já que tem tanta coisa bacana. Eu AMO montanha russa, não conseguiria não ir em todas....rsrsrs!

Tá ficando comprido demais, então depois falo o que eu achei dos parques, passeios, atrações e muitas das gracinhas das crianças por lá, que quero deixar registrado pra que eles leiam um dia!!!





3